Selecione uma forma de busca
 
Envie sua dúvida
Nome
Email
Pergunta

Insuficiência Cardíaca

Tratamento

 
 

O tratamento da insuficiência cardíaca deve considerar os sintomas atuais e as causas da doença.
Medidas dietéticas: O consumo de sal deve ser limitado a, no máximo, 3 gramas diárias, a fim de diminuir a quantidade de água dentro do corpo. Nesses casos, a ingestão de líquidos não deve ultrapassar 1 litro por dia; em casos mais graves, 300 ml por dia.

Medicamentoso
- Diuréticos: atuam aumentando o volume de urina eliminado. Com isso, consegue-se aliviar o excesso de líquido acumulado nos pulmões e nas pernas, principalmente.
- Digitálicos: são medicamentos que aumentam a força do coração para bombear o sangue e diminuem a freqüência cardíaca (a digoxina, digitoxina, digitalina). Frequentemente deve ser verificada a dosagem de digitálicos no sangue, a fim de evitar a "intoxicação digitálica", responsável por arritmias e descompensação cardíaca. O tratamento para reverter esses problemas seria a observação e a interrupção no uso do medicamento.
- Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA): promovem a dilatação dos vasos sangüíneos periféricos (das pernas, dos braços, etc.), diminuindo a resistência imposta ao coração e melhorando seu desempenho.
- Betabloqueadores: diminuem a força de contração do coração e a freqüência cardíaca, facilitando o relaxamento cardíaco. Indicados nos casos em que os ventrículos não relaxam adequadamente,
- Vasodilatadores: atuam diminuindo o trabalho cardíaco, reduzindo a resistência à contração do coração e a chegada do sangue ao coração.
Com o agravamento da insuficiência cardíaca, muitas vezes o tratamento só surte efeito se realizado em ambiente hospitalar. Nesse caso, o controle dos sintomas e da administração de medicamentos na veia torna-se vital para a recuperação do indivíduo.
Entre esses medicamentos, estão:
-. a dopamina (que, dependendo da dose, pode aumentar a quantidade de urina eliminada, a força de contração do coração e a pressão arterial);
-. a dobutamina (aumenta a força de contração do coração);
-.  o nitroprussiato de sódio (potente droga que dilata os vasos da periferia do corpo, diminuindo a pressão arterial e melhorando a contração cardíaca);
-. a noradrenalina (usada em fases finais da doença, para aumentar a pressão arterial). Outras drogas (como o levosimendan) foram desenvolvidas para melhorar a função do coração.

Cirúrgico
Quando o tratamento medicamentoso não é suficiente para manter o paciente vivo, discutem-se alternativas de tratamento. As opções atuais são:
- Transplante cardíaco: técnica adotada em 1967, na África do Sul, muito utilizada atualmente. Trata-se da utilização de um coração doado (por vítima de acidente ou por morte cerebral). O coração do doador é implantado no corpo de um receptor com insuficiência cardíaca em fase terminal. Após o transplante, o receptor toma medicações para combater a rejeição do coração recebido. Em 1990, a sobrevida no primeiro ano após o transplante atingia 81% e 60% depois de 5 anos.
- Cardiomioplastia: criada na França, a cirurgia utiliza um músculo das costas para cobrir o coração, na tentativa de aumentar a sua força. Utilizada devido à falta de doadores. Os resultados dessa técnica ainda são insatisfatórios.
- Ventriculectomia: trata-se da retirada de uma parte do músculo cardíaco doente, visando melhorar a geometria do coração e, conseqüentemente, a sua força. A técnica foi criada por um brasileiro e é objeto de grande controvérsia entre os especialistas; ainda se encontra em fase inicial, sem resultados sólidos até o momento.


Colaboração:
Dr. Marcos Knobel