Bem-estar e Qualidade de Vida

Lei seca faz bem à saúde

Beber e dirigir. Duas palavras que não combinam na teoria e muito menos na prática. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) de São Paulo, um décimo dos acidentes com vítimas ocorre nas rodovias devido ao excesso de álcool no sangue do motorista. Outro dado alarmante é que, por ano, mais de 35 mil pessoas morrem no mundo devido a acidentes causados por esse problema.

Lei seca faz bem à saúdeDiante desse cenário, no dia 20 de junho de 2008, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, sancionou a Lei nº 11.705, conhecida como Lei Seca, que proíbe o consumo de álcool antes de dirigir. A pessoa que for pega ao volante com qualquer quantidade de álcool no sangue será penalizada com infração gravíssima, multa de R$ 955,00 e suspensão do direito de dirigir por um ano. Antes era permitido até 0,6 gramas de álcool por litro de sangue (dois copos de cerveja).

O bafômetro, equipamento que permite determinar a concentração de bebida alcoólica numa pessoa por meio da análise do ar exalado pelos pulmões, acusa qualquer tipo de alimento ou medicamento que contenham a substância. Por isso, a nova lei determina margens de tolerância para esses casos específicos.

A bebida deprecia e altera funções do sistema nervoso central, como a atenção, a coordenação e o reflexo

Por enquanto, é permitido beber até 0,2 gramas de álcool por litro de sangue, o que corresponde a um cálice de vinho para uma pessoa de 80 quilos. “As pessoas, no início, podem achar exagero, mas toda lei sofre mudanças e, com o tempo, a sociedade adapta-se à nova legislação. Sem falar que isso é uma forma de segurança tanto para quem está dirigindo como para o passageiro ou pedestre”, enfatiza Alfredo Neto Maluf, psiquiatra do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE).

Mesmo com pouco álcool no sangue, a pessoa que bebeu pode causar um grave acidente, devido à influência dessa substância em sua coordenação motora. “O álcool atinge a parte física, que envolve o organismo como um todo, e a parte psíquica, que é a mais perigosa no trânsito.

"A bebida deprecia e altera funções do sistema nervoso central, como a atenção, a coordenação e o reflexo”, diz dr. Alfredo. Esses fatores são essenciais na hora de dirigir, pois são eles que dão o senso crítico na hora do trânsito.

A lei surtiu efeitos positivos. Nos primeiros 20 dias de vigência, foi registrada queda de 57% nas mortes em decorrência de acidentes no trânsito, segundo dados do Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo e divulgados pela Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo. Outra boa notícia vem do Sindicato dos Corretores de Seguros do Estado de São Paulo. Segundo ele, o valor dos seguros, principalmente de automóveis, deve diminuir até 20%. Isso vai ocorrer porque 25% do valor cobrado pelo seguro do carro é decorrente das colisões e, com a nova lei, o número de acidentes deve diminuir.

Alternativas para a segurança

Muito se fala na quantidade que se pode beber e o tempo que se deve esperar para que o efeito do álcool desapareça. Mas nada disso existe. “O tempo de permanência do álcool no organismo varia de uma pessoa para outra. Não há como afirmar que, em uma hora, a taça de vinho que você tomou não será acusada no bafômetro. A idade, o peso e as condições de saúde influenciam na hora do exame. Por isso, não adianta fazer cálculos para poder beber; depende da sensibilidade do organismo de cada um. A melhor alternativa é respeitar e seguir a lei”, alerta dr. Alfredo.

A maior dúvida é como as pessoas vão fazer com o happy hour depois do trabalho. A saída é tomar táxi ou transporte coletivo na hora de voltar para casa ou, então, entregar a direção para a pessoa que não bebeu. Mesmo quando consumidas quantidades pequenas e sem sinais exteriores de embriaguez, a chance de a pessoa se envolver em um acidente aumenta.

“A proibição da bebida alcoólica não pode fazer com que a reunião após o trabalho termine. Sempre que for ao happy hour, vá com alguém que não bebe ou até mesmo você pode deixar de beber. Tomar uma cerveja não é sinônimo de diversão”, aconselha o psiquiatra.

Não há como driblar o bafômetro, mas todos sabem que beber de estômago vazio facilita a ação do álcool. Isso ocorre porque a absorção é mais rápida quando não se come nada, o que faz com que a pessoa perca mais rapidamente o senso crítico, a coordenação, os reflexos e a atenção.

O álcool no organismo

Apesar de a reação da bebida no organismo depender muito das condições físicas de cada pessoa, o Núcleo Einstein de Álcool e Drogas desenvolveu uma tabela que aponta as prováveis consequências do consumo de álcool. Os cálculos para chegar à Taxa de Álcool no Sangue (TAS) levam em conta a pessoa que está de estômago vazio. Os exemplos abaixo valem como um alerta: direção e bebida não combinam.

Tabela com a taxa de álcool no sangue

Mulher

Peso Bebida 100ml Teor de Álcool no Sangue (TAS) Reações no organismo Tempo para a TAS voltar ao normal
50 quilos Cerveja 0,046 Bem-estar, pouca inibição, calor, relaxamento.
Ligeiros deslizes de racionalidade e memória, descuido
2h45m
  Vinho 0,062 3h40m
  Uísque 0,13 Grave prejuízo na coordenação motora e perda de controle de movimento.
Visão embaçada e descontrole de equilíbrio
8h15m
60 quilos Cerveja 0,038 Sem perda de coordenação dos movimentos, ligeira euforia e perda de inibição. Não apresenta sintomas depressivos 2h15m
  Vinho 0,051 Bem-estar, pouca inibição, calor, relaxamento.
Ligeiros deslizes de racionalidade e memória, descuido
3h
  Uísque 0,11 Prejuízo significativo da coordenação motora e perda de raciocínio lógico. Equilíbrio, visão e tempo de reação comprometidos. 6h50m
70 quilos Cerveja 0,033 Sem perda de coordenação dos movimentos, ligeira euforia e perda de inibição. Não apresenta sintomas depressivos 1h50m
  Vinho 0,044 Bem-estar, pouca inibição, calor, relaxamento.
Ligeiros deslizes de racionalidade e memória, descuido
2h35m
  Uísque 0,099 Leve descontrole de equilíbrio, fala, visão, tempo de reação e audição. O autocontrole diminui 5h50m

Homem

Peso Bebida 100ml Taxa de Álcool no Sangue (TAS) Reações no organismo Tempo para a TAS voltar ao normal
65 quilos Cerveja 0,030 Sem perda de coordenação dos movimentos, ligeira euforia e perda de inibição. Não apresenta sintomas depressivos 1h45m
  Vinho 0,040 Bem-estar, pouca inibição, calor, relaxamento.
Ligeiros deslizes de racionalidade e memória, descuido
2h20m
  Uísque 0,090 Leve descontrole de equilíbrio, fala, visão, tempo de reação e audição. O autocontrole diminui 5h20m
70 quilos Cerveja 0,027 Sem perda de coordenação dos movimentos, ligeira euforia e perda de inibição. Não apresenta sintomas depressivos 1h40m
  Vinho 0,037 2h13m
  Uísque 0,084 Leve descontrole de equilíbrio, fala, visão, tempo de reação e audição. O autocontrole diminui 4h55m
80 quilos Cerveja 0,024 Sem perda de coordenação dos movimentos, ligeira euforia e perda de inibição. Não apresenta sintomas depressivos 1h25m
  Vinho 0,032 1h55m
  Uísque 0,073 Leve descontrole de equilíbrio, fala, visão, tempo de reação e audição. O autocontrole diminui 4h20m

Publicada em agosto/2008

Atualizada em novembro/2009

Precisa agendar? Clique aqui para encontrar um médico

Publicado em  


Compartilhe

Deixe um comentário

* *
* Caracteres restantes: 500
* Campos Obrigatórios

Aviso: todo e qualquer comentário publicado na internet por meio deste sistema não reflete, obrigatoriamente, a opinião deste portal ou da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein. Os textos publicados são de exclusiva, integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O Hospital Israelita Albert Einstein reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou, de alguma forma, prejudiciais a terceiros. Informamos ainda que poderá haver moderação dos comentários que apresentarem dados clínicos ou pessoais dos autores, visando garantir a privacidade destas informações. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação (nome e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.