Bem-estar e Qualidade de Vida

Pés mais bonitos e saudáveis no verão

Coitados dos pés! No inverno, a gente mal olha para eles. No verão, todo mundo quer exibi-los bonitos e saudáveis.

Pés mais bonitos e saudáveis no verão

Pés com micoses, unhas feias e uma pele seca e descascada se tornam menos toleráveis na praia ou na piscina. Além disso, nesses ambientes o risco de contrair doenças de pele pode ser maior. Atenção e cuidado são suficientes para manter os pés bem apresentáveis e com saúde.

Conheça abaixo as doenças de pele mais comuns no verão e leia dicas de como cuidar melhor dos pés.

Doenças mais comuns

Pé-de-Atleta
(Tinea Pedis, também conhecida popularmente como tinhas)

Como se pega: fatores como fissuras na pele e umidade constante podem facilitar a invasão desse fungo. Portanto, o uso de calçados fechados no verão pode predispor ao problema. É importante também secar bem a pele dos pés após o banho.

Sintomas: vermelhidão na pele, descamação, coceira no meio dos dedos, lesão com borda avermelhada, descamação esbranquiçada, fissuras entre os dedos.

Tratamento: tópico, com uso de pomadas ou cremes. Casos mais resistentes podem exigir medicações por via oral.

Tinea x Diabetes: a Tinea afeta com mais facilidade pacientes diabéticos ou com doenças que acometem as defesas do organismo. É importante evitar soluções caseiras e indicações não profissionais para seu tratamento.

"Somente um profissional de saúde pode avaliar a causa de doenças como a Tinea e a possibilidade de o indivíduo sofrer de outros problemas que podem estar provocando o aparecimento dessas doenças fúngicas", afirma a Dra. Cristiane Benvenuto, dermatologista do Einstein.

Pés na areiaBicho Geográfico
(Larva Migrans)

Como se pega: um parasita microscópico presente nas fezes de gato ou cachorro entra na pele por contato com areia ou terra.

Sintomas: além de muita coceira, o parasita deixa um rastro visível na pele por onde passa, como um tunelzinho vermelho – daí o nome de bicho geográfico. Esses tuneis podem estar presentes em qualquer parte do corpo que esteve em contato com o solo.

Tratamento: tópico, com uso de pomadas ou cremes para casos mais simples ou medicação oral para casos de múltiplos tuneis na pele. O médico deve ser consultado para tomar a decisão da melhor opção.

Bicho de pé
(Tunga Penetrans)

Como pegar: por contato com a fêmea fecundada da tunga penetrans, um tipo de pulga geralmente presente na areia ou em áreas rurais.

Sintomas: além de muita coceira, o inseto deixa uma bolinha amarelada na pele com um pequeno ponto preto no centro, área que contém seus ovos. O ato de coçar pode ferir a pele e gerar uma infecção bacteriana da pele no local.

Tratamento: é feita a remoção do parasita, com a bolsa de ovos. Pode haver necessidade de antibióticos em casos de infecção secundária no local. É importante o acompanhamento médico.

Os pés e os ambientes do verão

"Não é preciso que as pessoas deixem de curtir a areia da praia ou a piscina por se preocuparem com as doenças de pele. O importante é que, se perceberem qualquer alteração, procurem um profissional para um tratamento precoce, evitando o agravamento do problema e o surgimento de infecções graves", indica a dermatologista.

Pés com alergiaAlergias

Sapatos ou chinelos de borracha, de plástico ou até mesmo de couro podem causar mais alergias no verão, fase do ano em que os pés suam em demasia, favorecendo também o aparecimento de fungos.

Ao notar alguma alergia, além de diminuir ou interromper o uso do calçado em questão, pode-se tentar utilizar sapatos forrados com tecidos de algodão ou com materiais antialérgicos. O uso de loção ou creme à base de silicone também pode criar uma proteção extra.

Cuidado com o sapato de todo dia

Principalmente no verão, a recomendação é não usar o mesmo calçado todos os dias, para evitar a proliferação de germes e odores. Após o uso, deixe o sapato "respirando" em lugar aberto por pelo menos um dia.

Proteção e hidratação

Atenção! A pele do pé é tão importante quanto qualquer outra do corpo!

Não podemos esquecer de passar protetor solar no dorso do pé, pois é uma região bastante exposta ao sol – tanto na praia quanto na piscina.

Para uma boa hidratação, o uso de cremes é o mais recomendado (normalmente mais espessos e oleosos que as loções). Cobrir os pés com sacos plásticos após a aplicação aumenta a absorção. Outra boa forma de melhorar a ação do produto é usá-lo após o banho.

Lixas de pé

A pele da planta do pé – assim como a da palma da mão – é mais grossa, não tem pelos, não produz sebo e não necessita ser lixada constantemente, como muitas pessoas fazem.

Com o uso excessivo de lixas, o corpo entende que o pé encontra-se sempre em terreno difícil e se defende, engrossando a pele cada vez mais. Para quem quer um pé lisinho, o ideal é diminuir o uso da lixa e aumentar o de cremes e/ou loções esfoliantes, sem esquecer a hidratação diária com os cremes para os pés.



Publicada em dezembro/2010

Publicado em  


Compartilhe

Deixe um comentário

* *
* Caracteres restantes: 500
* Campos Obrigatórios

Aviso: todo e qualquer comentário publicado na internet por meio deste sistema não reflete, obrigatoriamente, a opinião deste portal ou da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein. Os textos publicados são de exclusiva, integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O Hospital Israelita Albert Einstein reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou, de alguma forma, prejudiciais a terceiros. Informamos ainda que poderá haver moderação dos comentários que apresentarem dados clínicos ou pessoais dos autores, visando garantir a privacidade destas informações. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação (nome e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.