Em Dia com a Saúde

Como lidar com as sequelas do AVC

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), as doenças do coração são a primeira causa de morte no mundo, responsáveis por cerca de 17,1 milhões de casos anualmente. Destes, 5,7 milhões estão relacionados ao AVC (acidente vascular cerebral), o popular "derrame".

Além do alto número de mortes, é alta também a chance de o indivíduo que sofre um AVC - e que não recebe tratamento a tempo – ficar com sequelas, algumas muito graves. Elas são bastante variadas e dependem da região do cérebro onde aconteceu a lesão.

Confira abaixo os tipos de AVC e as principais sequelas que eles podem deixar no paciente. Quanto mais preciso for o seu diagnostico, mais rápido um tratamento específico pode ser iniciado e mais chances o indivíduo terá de resgatar a sua independência.

Tipos de AVC

O AVC isquêmico é o mais comum e acontece quando falta sangue em uma determinada região do cérebro, levando à morte das células por déficit de oxigênio. O dano é grave e pode atingir de forma definitiva o cérebro, caso não seja tratado rapidamente e de forma eficaz.

O AVC hemorrágico acontece por algum tipo de má-formação (aneurisma, angioma), e o resultado é uma inundação de sangue no cérebro. Este é considerado mais perigoso em primeira instância e possui maior índice de mortalidade, pois o volume de sangue pode causar maiores danos cerebrais. Contudo, a longo prazo, o sangue é reabsorvido e as sequelas podem ser menores, quando diagnosticado a tempo e de forma adequada, evitando lesões isquêmicas secundárias.

As principais sequelas

Paralisias
As sequelas do acidente vascular cerebral são decorrentes do tipo de lesão, da extensão e da sua localização. Geralmente, a área mais afetada é a região irrigada pela artéria cerebral média, causando paralisia desproporcional do lado contrário do corpo (em que, na maioria das vezes, o membro superior é mais afetado do que inferior).

"Por isso, é comum vermos pacientes que voltam a andar, mas ficam com os movimentos do braço muitos limitados", explica a Dra. Cristiane Isabela de Almeida, fisiatra e gerente médica do Centro de Reabilitação do Einstein.

Déficit Sensitivo
De difícil tratamento, a falta de sensibilidade causa uma sensação de anestesia parcial ou total do segmento do corpo afetado, e pode vir acompanhada ou não de dor. Muitas vezes, ele tem o movimento, mas como não sente, acaba por não utilizar a parte afetada.

"Para o indivíduo sadio, pegar um objeto é um ato normal, corriqueiro e automático. Em um paciente com déficit motor, este ato deverá ser planejado, visto que a pessoa deverá passar a calcular a distância, a força, o tipo de pressão, o peso. Em pacientes com sequelas sensitivas, este mesmo ato também vai precisar da compensação com a visão, além de todos os requisitos acima", conta a médica.

Afasias
Em 95% das pessoas, o hemisfério dominante, onde se localiza o centro da linguagem, fica no lado esquerdo do cérebro. Por isso, é comum ao paciente que tem AVC do lado esquerdo apresentar paralisia à direita associada a um déficit de linguagem, chamada afasia, que se dividem predominantemente em três tipos:

  • De expressão: pacientes que entendem melhor do que falam.
  • De compreensão: o paciente pode ter fala fluente, mas sem significado e/ou coerência.
  • Mista: é mais comum, e o paciente apresenta dificuldade de compreensão e de expressão.

Segundo a médica, os indivíduos afásicos têm a inteligência preservada e tendem a prestar atenção em dicas não-verbais que recebem do ambiente, em expressões faciais, musicalidade da voz, por vezes imitando movimentos e gestos das pessoas que os cercam. É como se tivessem que se comunicar por meio de uma língua com a qual não estão habituados.

Apraxias
Geralmente, acompanham a lesão do hemisfério dominante em que, além da dificuldade na fala, a pessoa perde a capacidade de se expressar por gestos e mímicas. Muitas vezes, este tipo de comunicação só se dá se for intencional, espontânea. Os tipos de apraxias mais comuns são:

  • Construtiva: dificuldade de montar um quebra-cabeça.
  • Ideomotora: dificuldade na expressão de gestos com significado – dar tchau, sinal de silêncio.
  • Posicional/Espacial: dificuldade na localização espacial em si e/ou no outro, (direita/ esquerda, mapas).

O tipo mais grave é a de apraxia de marcha. Segundo a fisiatra, o paciente não está paralisado, mas perde a sequência de movimentos necessária para o ato de andar.

A apraxia do vestir-se, dificuldade na sequência de posicionamento e colocação de roupas, ocorre nas lesões de hemisfério não-dominante.

Negligência
Pode ocorrer em lesões do hemisfério não-dominante. E se caracteriza por uma falta de percepção da metade afetada do corpo, como se aquele segmento não lhe pertencesse.

É uma sequela muito grave, mas que, normalmente, desaparece ou se torna apenas uma desatenção depois dos três primeiros meses. Os quadros de negligência também podem ser de três tipos – motor, visual, sensitivo. O indivíduo tem o movimento, enxerga e sente, porém o cérebro não percebe estas possibilidades. "Essas pessoas não se importam com o que está acontecendo ao seu redor, falam em demasia e estão pouco comprometidas com o tratamento", explica a Dra. Cristiane Isabela.

Agnosia Visual
Lesão que acontece na parte posterior do cérebro (área de recepção da visão), e que é conhecida por agnosia visual, em que o paciente não consegue reconhecer objetos visualmente.

Ele "enxerga, mas não vê". E isso pode influenciar negativamente inclusive em seu desempenho motor. E dependendo do local e do grau da lesão, a pessoa pode ter dificuldade em reconhecer rostos.

Déficit de Memória
Outra sequela é o déficit de memória. E o mais comum é que os pacientes lembrem mais de coisas antigas do que de recentes. Se o paciente ''lembra que esquece", isso é, possui metamemória, a reabilitação é possível.

Lesões no Tronco Cerebral
Geralmente, estas lesões possuem quadros motores muito graves, pois causam paralisia nos dois lados do corpo além de déficits associados (estrabismo, paralisia facial, desequilíbrio, disfagia ou dificuldade para engolir).

Aqui, o paciente tem a capacidade mental intacta, mas apresenta grave incoordenação motora e saliva em excesso. "Podem parecer ter deficiência mental, devido à falta de coordenação também na fala, sintoma conhecido como disartria. O caso mais grave deste tipo de lesão é conhecido como "Síndrome do Encarceramento", que foi abordado no filme O Escafandro e a Borboleta, do diretor Julian Schnabel", comenta a Dra. Cristiane Isabela.

Alterações Comportamentais
Na parte da frente do cérebro estão localizadas as funções mais nobres do ser humano. Dependendo do local e da extensão da lesão, o paciente pode apresentar quadro de apatia ou de agitação. Em quadros de falta de iniciativa, podem ficar sem apetite e sem vontade de beber água. Nos de agitação, tendem a ficar sem crítica social – falam sem pensar –, e na maioria das vezes, podem ser explosivas quando contrariadas.

Depressão
De acordo com a Dra. Cristiane Isabela, cerca da metade dos pacientes que tiveram AVC e ficaram com graves sequelas apresentam um quadro de depressão que necessitará de tratamento com medicação.

Diagnóstico preciso: tratamento adequado

É muito importante fazer um diagnóstico preciso e detalhado das sequelas do AVC para que o prognóstico seja o mais assertivo possível. Para isso, é necessário classificar que tipo de incapacidade o paciente apresenta e fazer uma análise do tipo de tratamento a ser feito. De acordo com a médica, sequelas moderadas apresentadas pelo paciente devem ser estudadas com mais cuidado, pois se não forem estimuladas, não apresentarão a recuperação possível. Qualquer problema negligenciado pode atrapalhar no tratamento e na qualidade de vida dele.

O cérebro nunca para de tentar encontrar novos caminhos de recuperação. As células que foram atingidas e morreram não se recuperam, mas as que ficam próximas da área lesionada, conhecidas por zona de penumbra, podem ser recuperadas pelo menos parcialmente com o tratamento.

O tratamento de reabilitação do AVC deve ter início precoce e ser conduzido por um médico fisiatra, que fará o diagnóstico e o prognóstico das incapacidades. Dependendo do quadro do paciente, membros da equipe multiprofissional serão acionados e juntos farão o planejamento das terapias – fisioterapia, hidroterapia, terapia ocupacional, fonoaudiologia, psicologia, neuropsicologia, enfermagem de reabilitação, nutricionista, ortoptista – somadas a equipamentos de alta tecnologia.

De acordo com a fisiatra, em geral, 85% dos pacientes voltam a ser independentes em suas atividades de vida diária (alimentação, vestuário, higiene) e marcha, se tratados precocemente e de forma eficaz. E o retorno para as atividades estudantis e profissionais vai depender mais das dificuldades cognitivas que o paciente apresentar do que do seu quadro motor.

A reabilitação atua em duas frentes: treinando o paciente para sua independência, com o potencial de função que ele já apresenta, e estimulando mecanismos de neuroplasticidade - enviando informações corretas para a zona de penumbra, tentando recuperar ou desenvolver a função perdida.

O médico fisiatra faz o papel de ponte entre a equipe médica e a de terapeutas.


Publicado em setembro/2011

Publicado em 13/09/2011


Compartilhe

Deixe um comentário

17/12/2013 08:47:09

valtail

por favor, o pai do meu amigo sofreu um avc já faz 1ano e agora está em casa, mas perdeu todas as funções do corpo inteiro, nao fala e nem movimenta o pescoço, como meu amigo sofre com isso e vive chorando estou querendo entender se ainda existe alguma forma de recuperação, pois só o que meu amigo sabe é o que o medico passa pra ele, se voces puderem ajudar a entendermos melhor agrademos de coração, desde já muito obrigado e parabens pelo conteudo exposto aqui; valtail

Resposta:

Olá Valtail, obrigado pelo contato conosco, ficamos contentes em saber que nosso conteúdo foi útil para você. Se você deseja que o pai do seu amigo seja avaliado por um dos nossos especialistas, entre em contato com o canal Fone Saúde no (11) 2151-1233 ou e-mail: fonesaude@einstein.br. Nossa equipe irá orientá-lo e indicar médicos que podem atendê-lo de acordo com a necessidade neste momento. Estamos à disposição.

02/12/2013 00:31:46

edileusa

MEU SOGRO DEU AVC H mais ele ñ ficou encoma ele pode ficar com secúela como lidar com isso,so q agente conversa com ele e ele entende queria entender como lidar com essa doença,fica muito tempo enternado.

     
* *
* Caracteres restantes: 500
* Campos Obrigatórios

Aviso: todo e qualquer comentário publicado na internet por meio deste sistema não reflete, obrigatoriamente, a opinião deste portal ou da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein. Os textos publicados são de exclusiva, integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O Hospital Israelita Albert Einstein reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou, de alguma forma, prejudiciais a terceiros. Informamos ainda que poderá haver moderação dos comentários que apresentarem dados clínicos ou pessoais dos autores, visando garantir a privacidade destas informações. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação (nome e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.