Em Dia com a Saúde

Trauma nos olhos exige atendimento rápido

Entenda a diferença entre lesões superficiais e graves

Traumas e lesões nos olhos - como quedas, socos, batidas e pequenos cortes - podem confundir o indivíduo que foi machucado. Mesmo sofrendo lesões leves, a dor pode ser aguda nas primeiras horas e pode ocorrer a formação de um hifema - aquele acúmulo de sangue que deixa o olho intensamente tingido de vermelho. Para avaliar a gravidade do caso e não se desesperar à toa - ou mesmo ganhar tempo, nos casos mais graves - a indicação mais importante é a visita a um oftalmologista imediatamente após o acidente.

Passe o mouse sobre o esquema abaixo para conhecer as estruturas do olho humano.

Fonte: Imagens retiradas do Projeto Homem Virtual da Faculdade de Medicina da USP

De acordo com o médico oftalmologista do Hospital Israelita Albert Einstein, Dr. Claudio Luiz Lottenberg, presidente do HIAE, o hifema é bastante comum em traumas oculares.

a avaliação de um oftalmologista é essencial para classificar a quantidade de sangramento e medir o nível de pressão intraocular

"Nas primeiras 24 horas após uma lesão ocular, o sangue que extravasa para o interior da pele em torno do olho normalmente produz uma equimose, conhecida popularmente como ‘olho preto’. Quando ocorre a ruptura de um vaso sanguíneo, a superfície do olho fica avermelhada, por conta de um sangramento que normalmente é de pequena intensidade", explica o médico.

Lesões superficiais

Segundo o oftalmologista, o hifema é uma lesão superficial e tem incidência maior em jovens do sexo masculino. "Dependendo da intensidade e do mecanismo do trauma, pode deixar a visão parcial ou completamente bloqueada. Algumas complicações, como o aumento da pressão intraocular e a impregnação de sangue na córnea, também podem interferir na capacidade visual após o trauma", afirma.

Lesões Graves

Já as lesões internas do olho, quando ocorrem, são frequentemente mais graves que a lesão superficial. Nestes casos, o sangramento na câmara localizada na parte anterior do olho e a pressão na parte interior podem tornar a córnea manchada de sangue e consequentemente podem reduzir a visão - como a catarata - ou aumentar o risco de glaucoma durante o resto da vida.

Nas lesões internas, o sangue pode vazar para o interior do olho, a íris (a parte colorida) pode ser danificada ou o cristalino pode ser deslocado. Também podem ocorrer hemorragias e descolamento da retina - no início, causam a sensação de imagens com formas irregulares ou flashes de luz e deixam a visão borrada; em seguida, acontece a redução acentuada da capacidade visual. Nas lesões graves, o globo ocular pode chegar a se romper.

Avaliação do oftalmologista

Dr. Claudio Luiz Lottenberg, médico oftalmologista e presidente do Hospital Israelita Albert Einstein"Seja no caso de lesões superficiais ou graves, a avaliação de um oftalmologista é essencial para classificar a quantidade de sangramento e medir o nível de pressão intraocular", afirma o oftalmologista do HIAE.

Para indivíduos que sofreram lesões leves, os principais cuidados são minimizar os esforços físicos, aumentar a ingestão de líquidos, manter postura elevada no leito e monitorar constantemente a estrutura ocular.

O tratamento é realizado à base de repouso e antiinflamatórios. Pode haver a necessidade de uma intervenção cirúrgica nos casos de falta de controle da pressão intraocular ou de impregnação da córnea por sangue.

O risco de novos sangramentos varia de 1 a 38%. Eles ocorrem, frequentemente, entre o segundo e o quinto dia após o trauma.

Quando seguido corretamente, o tratamento é eficaz e o trauma não deixa sequelas severas.

Proteção natural

A estrutura da face tem a finalidade de proteger os nossos olhos contra lesões. Além do globo ocular estar localizado em uma cavidade circundada por uma borda óssea forte, as pálpebras funcionam como barreiras quando são fechadas, fazendo com que o olho consiga suportar um impacto leve sem ser lesado.

"Apesar dessa proteção, eventualmente podem ocorrer traumas na região do olho. Quando acontecer, a indicação é procurar a avaliação imediata de um oftalmologista, preservando os olhos de problemas mais graves", alerta Dr. Claudio Lottenberg.

Publicada em abril/2010

Precisa agendar? Clique aqui para encontrar um médico

Publicado em  


Compartilhe

Deixe um comentário

* *
* Caracteres restantes: 500
* Campos Obrigatórios

Aviso: todo e qualquer comentário publicado na internet por meio deste sistema não reflete, obrigatoriamente, a opinião deste portal ou da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein. Os textos publicados são de exclusiva, integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O Hospital Israelita Albert Einstein reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou, de alguma forma, prejudiciais a terceiros. Informamos ainda que poderá haver moderação dos comentários que apresentarem dados clínicos ou pessoais dos autores, visando garantir a privacidade destas informações. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação (nome e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.