Nutrição

Alimentos orgânicos: saborosos e nutritivos

Frutas, verduras e legumes produzidos sem o uso de agrotóxicos ou aditivos químicos e animais criados sem utilização de hormônios são alternativas que preservam o meio ambiente e garantem qualidade de vida.

Alimentos ôrganicos: saborosos e nutritivos

Em busca disso, há cada vez mais adeptos de uma mesa farta de alimentos orgânicos. Carnes, vegetais e até vinhos estão na lista desses produtos e podem ser encontrados em lojas de produtos naturais e grandes redes de supermercados.

A explicação para essa procura crescente é simples: o sistema de produção agrícola do alimento orgânico tem o objetivo de tratar com equilíbrio o meio ambiente – solo e recursos naturais – e não utiliza nenhum produto que seja ofensivo à natureza ou às pessoas.

"É um produto de boa qualidade, valor nutricional adequado e que não agride o produtor, o meio ambiente e o consumidor", salienta Rosana Cardoso, nutricionista do Hospital Israelita Albert Einstein.

Os benefícios dessa alimentação quando o assunto é a saúde dos consumidores ainda estão em estudo. Há controvérsias sobre o valor nutritivo diferenciado desses produtos. Por outro lado, quem escolhe uma maçã orgânica, por exemplo, estará menos exposto aos xenobióticos – substâncias presentes em pesticidas, inseticidas e defensivos agrícolas entre outros produtos químicos. O contato com eles pode resultar em alterações hormonais tanto no homem quanto na mulher, diminuição da fertilidade, além de serem cancerígenos, dependendo de sua composição.

Para que se tenha certeza de que o produto cmprado é orgânico e que foi cultivado de acordo com a qualidade determinada, existe o selo de certificação.

Segundo Rosana, a boa higienização do alimento convencional é indispensável para garantir a proteção do consumidor. "Isso não quer dizer que no caso dos alimentos orgânicos basta tirar da embalagem e consumir. Esses produtos precisam ser devem ser higienizados adequadamente", adverte.

Polêmica

Em setembro de 2006, o consumo de hortaliças contaminadas pela bactéria Escherichia coli levou vários norte-americanos ao hospital, sendo que alguns apresentaram falência renal. O caso trouxe à tona um debate a respeito dos alimentos orgânicos. A questão levantada era se nesse processo mais saudável, os riscos de contaminação seriam maiores. "Se não tiver o manuseio adequado, essa bactéria pode aparecer em qualquer processo", opina a nutricionista.

No Brasil, a regulamentação dos produtos orgânicos teve início em 1999. Por meio de uma instrução normativa, o Ministério da Agricultura enfatizou regras para produção, processamento, distribuição, identificação e certificação de qualidade. Sendo assim, para que a pessoa tenha certeza de que o produto comprado é orgânico e que foi cultivado de acordo com a qualidade determinada, existe o selo de certificação.

Publicada em maio / 2007

Atualizada em setembro / 2009

Publicado em  


Compartilhe

Deixe um comentário

* *
* Caracteres restantes: 500
* Campos Obrigatórios

Aviso: todo e qualquer comentário publicado na internet por meio deste sistema não reflete, obrigatoriamente, a opinião deste portal ou da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein. Os textos publicados são de exclusiva, integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O Hospital Israelita Albert Einstein reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou, de alguma forma, prejudiciais a terceiros. Informamos ainda que poderá haver moderação dos comentários que apresentarem dados clínicos ou pessoais dos autores, visando garantir a privacidade destas informações. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação (nome e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.