Nutrição

Facebook Twitter Youtube Google+ Instagram Linkedin Flickr   |  diminuir letra aumentar letra

Alimentação inadequada, saúde em risco

Cada vez mais o prato típico na mesa do brasileiro – arroz, feijão, bife e salada – dá lugar a outros alimentos, como os lanches e as refeições de fast food, mais rápidas de preparar e comer. Mas se sobram praticidade, gorduras e carboidratos, faltam vitaminas e minerais, essenciais para manter uma vida saudável.

Alimentação inadequada, saúde em riscoEm estudo realizado entre março e abril de 2006 - por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e da Universidade de São Paulo (USP), foram entrevistadas 2.420 pessoas com 40 anos ou mais, em 150 municípios das cinco regiões do país. O resultado foi preocupante: o consumo de vitaminas e minerais não está nem perto de alcançar a necessidade diária recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A pesquisa aponta os seguintes dados:

  • 90% dos entrevistados consomem apenas 1/3 dos 1.200 mg de cálcio recomendados diariamente
  • 81% não alcançam a quantidade recomendada de vitamina K, que é de 120 mcg para homens e 90 mcg para mulheres. Ela é responsável, entre outras funções, por prevenir a osteoporose
  • 99% consomem menos do que deveriam de vitamina D. Sua função é regular a presença de cálcio no sangue

O resultado da falta desses nutrientes se reflete diretamente na piora da saúde da população, que apresenta maior incidência de obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares, hipertensão e osteoporose.

Refeição equilibrada

O prato típico do brasileiro é, por excelência, uma refeição equilibrada, segundo Silvia Piovacari, coordenadora da Nutrição Clínica do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). Isso porque contempla:

  • uma fonte de proteína, a carne vermelha ou branca;
  • uma fonte de carboidrato, o arroz, a batata ou as massas;
  • vitaminas, fibras e minerais, nas saladas com verduras e legumes e também nas frutas da sobremesa.

A falta de uma vitamina (a chamada hipovitaminose) ou mineral, além de comprometer o bom funcionamento do organismo, facilita o aparecimento de doenças. Alguns exemplos:

  • beribéri: causada pela falta de vitamina B1, provoca fraqueza muscular e dificuldades respiratórias;
  • escorbuto: resultante da falta de vitamina C, gera fraqueza, anemia e doenças da gengiva;
  • raquitismo: devido ao baixo consumo de vitamina D, os ossos não conseguem se desenvolver por problemas de calcificação;
  • xeroftalmia: vem da pouca vitamina A e causa problemas na visão.

Como a falta de vitaminas atualmente tem relação com a alimentação inadequada, a saída é equilibrar o corre-corre e os alimentos que não podem faltar no prato. Para isso, veja as dicas:

  1. Se não der para fazer uma refeição completa, opte por lanches saudáveis com frutas e sucos naturais;
  2. Ao almoçar fora, dê preferência às preparações com pouca gordura;
  3. No escritório, substitua as bolachas por frutas secas como damasco, banana passa, ameixa e tâmaras;
  4. Beba água ao longo do dia: o corpo precisa de pelo menos 1,5 litros para manter-se hidratado.

Saúde no prato

Carnes, frutas, legumes e verduras, entre outros alimentos, fornecem os nutrientes de que o organismo precisa. A dica é ficar de olho na tabela para saber o que anda faltando no prato.



Publicado em fevereiro/2008

Atualizado em novembro/2009

Precisa agendar? Clique aqui para encontrar um médico

Publicado em  


Compartilhe

Deixe um comentário

* *
* Caracteres restantes: 500
* Campos Obrigatórios

Aviso: todo e qualquer comentário publicado na internet por meio deste sistema não reflete, obrigatoriamente, a opinião deste portal ou da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein. Os textos publicados são de exclusiva, integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O Hospital Israelita Albert Einstein reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou, de alguma forma, prejudiciais a terceiros. Informamos ainda que poderá haver moderação dos comentários que apresentarem dados clínicos ou pessoais dos autores, visando garantir a privacidade destas informações. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação (nome e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.