Einstein Saúde na Veja

Facebook Twitter Youtube Google+ Instagram Linkedin Flickr  |  diminuir letra aumentar letra  |  RSS

Entenda como tratar o vitiligo

Manchas brancas de diferentes tamanhos e formas, localizadas principalmente no rosto, mãos, pés, joelhos e cotovelos. Esse é o sinal mais claro do vitiligo, doença dermatológica benigna caracterizada pela perda da pigmentação natural da pele.

Os médicos ainda não sabem explicar ao certo o que causa o problema, mas a teoria mais aceita atualmente define a doença como autoimune. Uma disfunção no sistema imunológico faz com que as defesas do corpo ataquem os melanócitos, células responsáveis pela produção de melanina, que dá cor à pele.

“Como não sabemos exatamente por que o vitiligo ocorre, tratar fica mais difícil”, explica Dr. Beni Moreinas Grinblat, dermatologista do Einstein. “A indicação da melhor terapêutica vai depender do comprometimento de cada paciente, do tamanho da lesão, se ela está estável ou não. A indicação vai depender dessa série de critérios”, ressalva Dr. Simão Cohen, dermatologista do mesmo hospital.

O vitiligo é benigno, não prejudica a saúde física do paciente e não é contagioso. Atinge 1% da população brasileira, afetando igualmente ambos os sexos, e pode aparecer em qualquer idade, mas geralmente dá sinais até os 30 ou 40 anos. Pode ser definido como localizado (quando atinge apenas uma região pequena), generalizado (quando abrange regiões extensas), segmentar (quando está em apenas um segmento) ou universal (quando mais de 75% da pele está coberta por manchas).

De acordo com os especialistas, os locais mais difíceis de serem tratados são as extremidades, como mãos e pés. E quanto antes iniciar o tratamento, melhor o prognóstico. É possível estacionar a evolução das manchas ou repigmentar a pele. Escolher o caminho ideal para o paciente é um desafio para os médicos por não ser possível prever qual a resposta de cada organismo e à grande variedade de tratamentos disponíveis.

Novos medicamentos

Entre os mais recentes tratamentos está o kellin, substância de uso tópico feita com base no extrato de uma planta chamada Ammi visnaga. Ele é aplicado na pele e a pessoa deve se expor ao sol ou à radiação ultravioleta do tipo A (UVA). O produto, porém, ainda não é vendido no Brasil e não há consenso em relação à eficácia. “Há poucos trabalhos científicos a respeito que dizem que o tratamento é eficaz”, afirma Dr. Beni.

Em outra frente, o uso de imunomoduladores – tacrolimus e pimecrolimus – vem ganhando espaço. Como o próprio nome já diz, esses medicamentos controlam as células do sistema autoimune.

Você também pode gostar de:

Outra opção é a utilização de uma nova forma de fototerapia com radiação ultravioleta do tipo B (UVB), a chamada narrow band, ou banda estreita. O paciente entra em uma cabine e os raios UVB induzem a proliferação de melanócitos. “A vantagem com relação aos raios UVA é a redução de efeitos colaterais”, explica o Dr. Beni.

Há quase cinco anos, os dermatologistas passaram a usar também o excimer Laser, uma energia luminosa que funciona no mesmo comprimento de onda dos raios UVB e estimula a produção de melanina da pele. “Tem sido utilizado como auxílio principalmente nos casos que não respondem aos tratamentos convencionais. Mas são necessárias muitas aplicações, feitas semanalmente, e a pele só começa a responder depois de 10 a 15 aplicações”, explica Dr. Simão.

Além das novas opções que vêm sendo adotadas pelos especialistas no combate ao vitiligo, a busca por remédios cada vez mais eficazes movimenta a produção científica. Centenas de estudos em vários países do mundo estão em andamento. O mais recente parece ser a utilização do bimatoprosta, hoje encontrado em um colírio utilizado para tratar glaucoma. Segundo os estudos preliminares, a substância parece ser eficaz na repigmentação da pele, mas os médicos ressaltam que ainda são necessários mais estudos científicos para poder considerá-lo como opção de tratamento.

Famosos com a doença

Michael Jackson

Sua autópsia confirmou que o cantor sofria de vitiligo, apresentando manchas brancas no peito, abdome, rostos e braços. Apesar de ser da raça negra, fez diversos tratamentos na pele que o deixaram com aparência caucasiana

Shutterstock

Rappin’ Hood

Tem manchas aparentes ao redor dos olhos, mãos e cotovelos. Hoje, o rapper defende a popularização do tratamento da doença


Divulgação/ MySpace do artista

Lee Thomas

O apresentador de TV americano escondeu a doença de amigos e parentes por mais de quinze anos utilizando maquiagem. Após ser descoberto, escreveu o livro Turning White: a Memoir of Change (Ficando Branco: Uma Memória de Mudança, em tradução literal)

Reprodução/ capa do livro Turning White

Luiza Brunet

Um dos principais símbolos de beleza feminina do Brasil possui a doença desde os dois anos, mas a mantém sob controle, não a deixando aparente na pele. A modelo inclusive já declarou ter feito tatuagens para esconder algumas manchas

Divulgação/ Twitter oficial

Os tratamentos clássicos

Existem, ainda, opções de tratamento mais consolidados. A aplicação de corticoides ainda é a primeira opção na maioria dos casos.

A utilização de psoralenos é uma alternativa. Essas substâncias podem ser apresentadas em creme para aplicação na pele ou ingeridas via oral, auxiliando na promoção da pigmentação, deixando a pele mais sensível à ação dos raios ultravioleta. Podem ser combinados com a fototerapia, quando recebem o nome de PUVA (psoralenos + UVA) e, em geral, são utilizados para lesões extensas.

Também há opções cirúrgicas. Pequenos pedaços de pele com pigmentação normal são enxertados nas áreas afetadas pelo vitiligo. Essa pele, que contém melanócitos, acaba se espalhando e repigmentando outras áreas. Processo semelhante é o de curetagem. O médico faz uma raspagem na área sadia, esse material é preparado como uma solução e aplicado em uma região doente, conforme explica o Dr. Simão Cohen. A pele vai absorver as células que pigmentam a pele (os melanócitos) e voltar a funcionar normalmente. Esse tratamento costuma ser utilizado somente em pacientes resistentes às demais opções e em quadros localizados e estáveis.

Apenas em último caso, indicado somente quando a pessoa tem mais de 75% da pele coberta por manchas, é possível fazer a despigmentação da pele sadia, a fim de igualá-la ao restante do corpo. São utilizados produtos em concentrações específicas que são tóxicos aos melanócitos.

“Vale lembrar que a resposta terapêutica é variada de pessoa para pessoa. É individualizada. O tratamento que serve para um, pode não levar a resposta nenhuma em outro. Temos que ir tentando”, lembra o Dr. Simão.

Apesar de ser uma doença benigna, as manchas características e muitas vezes visíveis podem trazer problemas sociais. O estigma da doença e a desinformação levam ao isolamento ou ao estresse. Além disso, o estado emocional pode contribuir para a evolução no aparecimento das manchas. Por isso, paralelamente ao acompanhamento clínico da condição, os médicos recomendam também um acompanhamento psicológico para os pacientes acometidos por essa disfunção.

Publicado em 11/10/2012


Compartilhe

Deixe um comentário

15/03/2014 02:39:06

tania paiva

tenho vitiligo há 21 anos e de verdade não tem cura quero despigmentar pois acho mais facil estamos jogando tempo e dinheiro fora estou usando cremes manipulados que clareiam a pele e estou gostando do resultado principalmente no rosto as pessoas já não notam mais.

Resposta:

Olá Tania, obrigado por compartilhar sua experiência aqui conosco. Desejamos sucesso no tratamento.

15/03/2014 02:36:35

tania paiva

tenho vitiligo há 21 anos e de verdade não tem cura quero despigmentar pois acho mais facil estamos jogando tempo e dinheiro fora estou usando cremes manipulados que clareiam a pele e estou gostando do resultado principalmente no rosto as pessoas já não notam mais.

     
* *
* Caracteres restantes: 500
* Campos Obrigatórios

Aviso: todo e qualquer comentário publicado na internet por meio deste sistema não reflete, obrigatoriamente, a opinião deste portal ou da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein. Os textos publicados são de exclusiva, integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O Hospital Israelita Albert Einstein reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou, de alguma forma, prejudiciais a terceiros. Informamos ainda que poderá haver moderação dos comentários que apresentarem dados clínicos ou pessoais dos autores, visando garantir a privacidade destas informações. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação (nome e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.