Tecnologia e Inovação

Joelho novo com o transplante de cartilagem

Há um prognóstico na medicina ortopédica que nenhum especialista pode contrariar: a cartilagem humana, quando lesada, nunca poderá ser restabelecida exatamente igual ao antigo tecido sadio – não há procedimento ou receita, até hoje, que faça isso ocorrer.

Joelho novo com o transplante de cartilagemA raiz dessa dificuldade está nas próprias características do tecido, que não tem capacidade regenerativa. “A cartilagem não tem vascularização, por isso não consegue formar um novo material”, explica o ortopedista Moisés Cohen, um dos maiores especialistas no assunto.

A cartilagem é um tecido elástico, encontrado nas articulações, que serve de sustentação e dá mobilidade aos membros do corpo. Flexível, ela permite o deslizamento suave dos ossos e absorve o impacto sobre eles, impedindo que se desgastem e provoquem dores. Como se trata de um tecido muito sensível, é facilmente lesado por trauma (devido a queda ou fratura) que afete as articulações ou por desgaste natural.

Conforme explica o dr. Moisés Cohen, 75% do material que compõe a cartilagem é água e, ao longo da vida, a tendência é o tecido ficar desidratado e perder a elasticidade, levando a doenças como a artrose. No caso de traumatismos, os joelhos costumam ser o maior alvo, devido à exposição que sofrem durante atividades físicas. Estima-se que em cerca de 40% das lesões do joelho a cartilagem seja atingida.

Cartilagem cultivada em laboratório

A cartilagem não tem vascularização, por isso não consegue formar um novo material

Diante desse quadro, diversas técnicas e tratamentos voltados para a recuperação da cartilagem vêm sendo desenvolvidos ao longo dos últimos anos. Alguns especialistas alegam que a maioria não tem efeito duradouro. A exceção, hoje, é o transplante de cartilagem realizado, na maior parte dos casos, nos traumas de joelho.

O primeiro transplante desse tipo, no Brasil, foi realizado no Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), há quatro anos. Foi coordenado pelo ortopedista Moisés Cohen e sua equipe e, desde então, continua sendo considerado um dos tratamentos mais eficazes para o problema.

A técnica consiste em retirar células de cartilagem de uma região do joelho do paciente que não sofra sobrecarga de peso e multiplicá-las em laboratório. O próprio sangue do paciente é usado como meio de cultura para as células - ou seja, sua fonte de nutrientes para crescer - e também para pesquisa de material genético.

Após aproximadamente um mês, o dr. Moisés Cohen afirma que pode existir quantidade suficiente de células novas para serem enxertadas. Uma nova cirurgia é marcada e essas células são injetadas na região afetada. Em geral, cerca de seis meses após a operação, o novo tecido deverá estar integrado à cartilagem ao redor da lesão. A grande vantagem desse tratamento, segundo o ortopedista, é que a cartilagem a ser formada será praticamente igual à do tecido anterior.

Quando fazer o transplante de cartilagem

Apesar de inovador e eficiente, o transplante de cartilagem ainda não é praticado com frequência no Brasil. Entre as razões está o fato de que o procedimento só é indicado no caso de lesões causadas por traumas, que sejam pequenas e bem delimitadas e para pessoas de até 50 anos.

O transplante não funciona nos casos em que a lesão esteja muito disseminada ou quando o tecido circundante for muito fino, o que ocorre nos pacientes que sofrem de artrose e osteoporose. “Além disso, é um tratamento mais trabalhoso porque envolve duas cirurgias e, consequentemente, demanda maiores custos”, diz o ortopedista.

O procedimento só é indicado no caso de lesões causadas por traumas, que sejam pequenas e bem delimitadas e para pessoas de até 50 anos

O dr. Moisés Cohen estima que, desde o primeiro transplante, ocorrido em 2003, foram realizadas apenas outras 15 operações no Brasil até o momento. “É preciso considerar também que o pós-operatório é mais demorado e requer mais cuidados em relação a outros procedimentos para a recuperação da cartilagem.”

O paciente volta às atividades normais em oito meses, período em que deverá recorrer ao uso de muletas e terá que se dedicar a sessões rigorosas de fisioterapia. O esforço, porém, vale a pena: os resultados indicam que entre 80% e 90% da função da articulação será restabelecida.

Publicada em janeiro/2008

Atualizada em novembro/2009

Publicado em  


Compartilhe

Deixe um comentário

* *
* Caracteres restantes: 500
* Campos Obrigatórios

Aviso: todo e qualquer comentário publicado na internet por meio deste sistema não reflete, obrigatoriamente, a opinião deste portal ou da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein. Os textos publicados são de exclusiva, integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O Hospital Israelita Albert Einstein reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou, de alguma forma, prejudiciais a terceiros. Informamos ainda que poderá haver moderação dos comentários que apresentarem dados clínicos ou pessoais dos autores, visando garantir a privacidade destas informações. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação (nome e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.