Exames e Testes Diagnósticos

Teste Cardiopulmonar ou Ergoespirometria

O teste cardiopulmonar ou ergoespirométrico é a associação de um teste ergométrico convencional com a análise do ar espirado pelo paciente, que serve para especificar medidas diretas de parâmetros respiratórios, como consumo de oxigênio, produção de gás carbônico, frequência respiratória e ventilação pulmonar.

Indicações

  • Avaliação funcional de doenças cardíacas e pulmonares.
  • Avaliação seriada no pré e no pós-transplante cardíaco.
  • Quantificação do risco de pacientes com miocardiopatias (doença do músculo cardíaco).
  • Para programar a reabilitação em pacientes com doença cardíaca ou com insuficiência cardíaca.
  • Para programar treinamento de atletas.
  • Para diagnóstico diferencial da dispneia (falta de ar).

Contraindicações

  • Gestantes
  • Peso corporal acima de 160 quilos.

Preparo

  • No dia do exame, após o banho, não utilizar cremes, pomadas ou gel.
  • Vir ou trazer roupa confortável (agasalho/tênis).
  • Não fumar duas horas antes e uma hora após o exame.
  • Dieta normal duas horas antes ou dieta leve uma hora antes do exame (o paciente não deve fazer o exame em jejum).
  • A suspensão de medicação em uso fica a critério do seu médico e na dependência dos objetivos do exame. Quando o objetivo é diagnosticar a doença arterial coronária, caso seja possível, recomenda-se suspender remédios que possam mascarar as manifestações da doença, como betabloqueadores (atenolol, propranolol, metoprolol), inibidores dos canais de cálcio (diltiazem, verapamil) e vasodilatadores coronarianos (dinitrato ou mononitrato de isossorbida, nitroglicerina).
  • Recomenda-se ao paciente não expor o tórax desprotegido ao sol até 72 horas após o exame, já que pode surgir irritação da pele no local da colocação dos eletrodos para monitoração.

Como é feito

No teste cardiopulmonar, além de se verificar os dados de um teste ergométrico, também é analisado o ar expirado para medidas do consumo de oxigênio, da produção de gás carbônico, da frequência respiratória e da ventilação pulmonar. Para tal, o paciente faz todo o esforço físico respirando preferencialmente com a utilização de um bocal (ou uma máscara, caso não suporte o bocal) e mantendo o nariz obstruído com um prendedor especial.

Complicações

São muito raras, mas podem incluir: arritmias, insuficiência cardíaca, síndromes coronárias agudas (angina instável, infarto agudo do miocárdio) e parada cardiorrespiratória.

Publicado em  


Compartilhe

Deixe um comentário

* *
* Caracteres restantes: 500
* Campos Obrigatórios

Aviso: todo e qualquer comentário publicado na internet por meio deste sistema não reflete, obrigatoriamente, a opinião deste portal ou da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein. Os textos publicados são de exclusiva, integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O Hospital Israelita Albert Einstein reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou, de alguma forma, prejudiciais a terceiros. Informamos ainda que poderá haver moderação dos comentários que apresentarem dados clínicos ou pessoais dos autores, visando garantir a privacidade destas informações. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação (nome e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.